Skip to Content

Projeto Educativo

Projeto Educativo


 

Introdução

 

O projecto de desenvolvimento da função educativa da Escola Secundária de Valongo para 2010 – 2013 apresenta-se num momento chave em que teve início uma nova fase da gestão e administração das escolas portuguesas, em que foi aprovada a escolaridade obrigatória de 12 anos e em que é apresentada uma nova estratégia para a Europa sair da profunda crise económica que expôs as suas debilidades – “Europa 2020”.

Sendo uma das metas da nova estratégia europeia que a taxa de abandono precoce dos sistemas de ensino europeus seja inferior a 10% e que pelo menos 40% da geração dos mais jovens complete o Ensino Superior, esta decisão terá reflexos no papel e no projecto da Escola, que concentra a maioria dos seus alunos no Ensino Secundário e tem vindo a promover a aprendizagem ao longo da vida, quer através de cursos de Educação e Formação de Adultos quer através do seu Centro de Novas Oportunidades.

A concepção de qualquer projecto passa pelo conhecimento adequado dos recursos de que se dispõe, do que se pretende atingir e pela avaliação do projecto anterior da escola e dos resultados conseguidos. A metodologia seguida para fazer este trabalho passou pelo estudo de vários documentos, a saber: avaliação externa – programa AVES e o projecto DEAves; resultados nos exames nacionais de 2007 a 2009 e estatísticas dos resultados das avaliações internas dos alunos. Foram, também, realizados painéis de debate: análise SWOT dos resultados dos exames nacionais; painel de reflexão dos Cursos Profissionais e painéis de reflexão dos Cursos EFA e CNO.

O relatório da avaliação externa realizado pela Inspecção Geral da Educação, em Janeiro de 2010, foi alvo de análise e reflexão, sendo de destacar a selecção dos atributos da Escola Secundária Valongo (pontos fortes e fracos), que se entendeu coincidentes com as análises já feitas na escola, quer pelos resultados da sua avaliação interna quer pela análise documental e dos painéis de debate realizados.

 

Pontos fortes identificados:

·         A evolução das taxas de sucesso do 3.º ciclo e do ensino secundário e o decréscimo do abandono escolar;

·         A monitorização dos resultados académicos, do percurso escolar dos alunos e das medidas de apoio;

·         A articulação intradepartamental;

·         A valorização da integração, da motivação, da responsabilização e da formação do pessoal docente e não docente;

·         A aposta nas tecnologias de informação e comunicação;

·         O desenvolvimento de parcerias e de projectos próprios e /ou resultantes de adesão a programas e iniciativas locais, nacionais e internacionais;

·         A implementação de planos de acção decorrentes das fragilidades identificadas nos relatórios de auto-avaliação.

 

Pontos fracos identificados:

·         Os resultados da disciplina de Matemática nos exames nacionais do ensino básico e do ensino secundário, inferiores aos referentes nacionais, no último triénio;

·         A ausência de mecanismos de acompanhamento da prática lectiva em sala de aula;

·         A frágil articulação da Escola com as escolas de proveniência dos alunos de modo a assegurar a sequencialidade das aprendizagens;

·         A desactualização e a inexistência de avaliação participada do Projecto Educativo;

·         A reduzida participação dos pais na vida escolar.

 

Se os pontos fortes evidenciam aspectos da vida da Escola que têm sido trabalhados de forma adequada, os pontos fracos mostram os aspectos que têm vindo a prejudicar o cumprimento dos seus objectivos e, como tal, devem dar origem aos eixos prioritários de acção a desenvolver no próximo triénio, para que a Escola possa cumprir integralmente a sua missão de serviço público.

O lema do projecto educativo que se apresenta é “As Aprendizagens no Centro das nossas Preocupações” com três prioridades de desenvolvimento, na procura de uma escola moderna e de qualidade:

  • Trabalho: para melhorar os resultados escolares dos jovens e as qualificações dos adultos.
  • Responsabilidade: para promover a qualidade da educação e formação dos seus alunos, formandos e adultos.
  • Criatividade: para valorizar a imagem da escola e o reconhecimento dos percursos formativos que oferece e dos cursos que ministra.

Foram definidos dois eixos estratégicos prioritários de intervenção: o Sucesso escolar e as Práticas (Procedimentos) e dois eixos secundários, igualmente importantes, mas menos prioritários face aos resultados já conseguidos: Relações na comunidade educativa e Formação e certificação.

O Projecto Educativo é um documento dinâmico que orientará as acções a desenvolver e se irá actualizando em função de avaliações a realizar de forma contínua e participada.


Quem somos?

 

A Escola Secundária de Valongo (ESV) é a escola pública do Ensino Secundário com 3º ciclo do Ensino Básico que serve a população estudantil da cidade de Valongo e das freguesias de Campo e de Sobrado, do concelho de Valongo. A sua localização na Área Metropolitana do Porto atrai ainda alunos dos concelhos de Paredes e Gondomar.

Foi criada pelo Decreto-Lei nº 260-B/75 de 26 de Maio, substituindo a Secção de Valongo da Escola Técnica de Ermesinde, a funcionar desde 1 de Outubro de 1972. Tem instalações próprias na Rua Visconde Oliveira do Paço, desde o ano lectivo 1986/87.

No ano lectivo 2009/2010 é frequentada por 1360 alunos em regime diurno: 12 turmas do Ensino Básico (EB), 3 turmas de Cursos de Educação Formação (CEF), 31 turmas de Cursos Científico-Humanísticos do Ensino Secundário (ES) e 15 turmas de Cursos Profissionais (CP).

Funcionam, ainda, em regime pós-laboral, 6 turmas de Cursos de Educação e Formação de Adultos (EFA) e um Centro Novas Oportunidades (CNO), com cerca de 700 inscritos.

O leque de idades oscila entre os 12 e os 69 anos. Nos cursos EFA a média de idades é de 30 anos.

Os alunos são maioritariamente portugueses, porém há alguns de nacionalidade brasileira, suíça, francesa, lituana, ucraniana, moldava, angolana, guineense, cabo-verdiana, australiana e chinesa.

 

 

  Figura 1 – Número de alunos em 2009/2010


Onde estamos?

 

Fazendo parte integrante da Área Metropolitana do Porto, Valongo é um concelho com características marcadamente urbanas, que se tornaram mais notórias após a construção da auto-estrada (A4). A acessibilidade do concelho conduziu a uma intensificação das migrações pendulares.

Por outro lado, é uma cidade contrastante quer quanto ao nível socioeconómico quer cultural da população, assistindo-se à coexistência de moradias unifamiliares e bairros sociais.

A nível económico, o comércio e serviços constituem as actividades com mais expressão no município de Valongo a nível da sua capacidade empregadora.

Este concelho assistiu nos últimos anos, a um processo interno de terciarização da sua actividade económica que não foi acompanhado de um crescimento efectivo das actividades económicas directamente produtivas.

O nível de escolaridade das famílias dos alunos da ESV é muito baixo: mais de metade (59%) tem formação inferior ao 3º ciclo do EB e só 6% tem formação superior.

habilitações pais.jpg

Figura 2 – Habilitações Literárias dos Pais dos Alunos em 2009/2010

Relativamente ao contexto socioeconómico dos pais há grandes contrastes. A maioria trabalha na área da produção, do comércio e dos serviços.

Tem-se verificado o aumento do número de pais desempregados, o que tem impacto na vida escolar dos jovens. Esta situação reflecte-se no número de subsidiados.

A desvalorização social da escola é um dos problemas identificado na Carta Educativa do Concelho de Valongo.


O que pretendemos?

 

A nossa missão

As escolas são estabelecimentos aos quais está confiada uma missão de serviço público, que consiste em dotar todos e cada um dos cidadãos das competências e conhecimentos que lhes permitam explorar plenamente as suas capacidades, integrar-se activamente na sociedade e dar um contributo para a vida económica, social e cultural do País. (Decreto-Lei nº 75/2008, de 22 de Abril)

 

A nossa visão

Uma escola de qualidade que se impõe pela excelência das suas práticas.

 

Os princípios que nos orientam

·         Promover o sucesso educativo na sua plenitude (realização pessoal, formação integral);

·         Integrar a escola na comunidade que serve e estabelecer a interligação do ensino e das actividades económicas, sociais, culturais e científicas;

·         Contribuir para desenvolver o espírito e a prática democráticos no sentido da educação para a cidadania;

·         Assegurar a participação de todos os intervenientes no processo educativo, nomeadamente dos alunos, das famílias, docentes e não docentes, da autarquia e de entidades representativas das actividades e instituições económicas, sociais, culturais e científicas, tendo em conta as características específicas dos vários níveis e tipologias de educação e de formação;

·         Valorizar a cidadania europeia;

·         Preservar o património natural e cultural, a defesa ambiental e gestão dos recursos;

·         Promover a saúde individual, familiar e da comunidade.

 

Os valores que defendemos

Trabalho, Responsabilidade, Criatividade, Diálogo, Liberdade, Cooperação, Compromisso, Inovação e Confiança.


Como nos propomos cumprir a nossa missão?

 

Vamos estabelecer dois eixos prioritários e dois eixos secundários de acção:

Eixos estratégicos prioritários:

Eixo estratégico 1 – Sucesso escolar

Eixo estratégico 2 – Práticas

Eixos estratégicos secundários:

Eixo estratégico 3 – Relações na comunidade

Eixo estratégico 4 – Formação e certificação

 

Objectivos gerais, estratégias, metas e indicadores

Eixo estratégico 1 – Sucesso escolar

Objectivos gerais

·      Melhorar os resultados escolares;

·      Reduzir a taxa de saída precoce;

·      Comprometer os encarregados de educação no percurso escolar dos seus educandos;

·      Promover a educação integral.

 

Estratégias/Operacionalização

·         Diversificação da oferta formativa de acordo com as expectativas da comunidade;

·         Constituição das turmas e de horários de acordo com critérios de âmbito pedagógico;

·         Monitorização da evolução dos resultares escolares;

·         Monitorização das medidas de apoio;

·         Mudança de práticas pedagógicas;

·         Promoção da literacia;

·         Utilização das TIC na construção das aprendizagens;

·         Promoção da expressão artística e da actividade física e desportiva;

·         Envolvimento em projectos (de investigação e de pesquisa);

·         Envolvimento dos encarregados de educação no percurso escolar dos filhos, co-responsabilizando-os;

·         Manutenção da Escola de Pais;

·         Articulação curricular com a Biblioteca /CRE.

 

 



 

Indicadores de medida

Metas

Ensino básico

·   Número de alunos que transitam de ano de escolaridade/ concluem o 3º Ciclo.

·   Resultados dos alunos nos exames nacionais do 3º ciclo.

·   Número de alunos com menos de 15 anos que, ao longo do ano lectivo, abandonaram a escola e não se inscreveram em nenhum sistema de educação e formação.

·   Número de alunos do 3º ciclo que transitam sem negativas.

·   Número de alunos que transitam de ano de escolaridade com média >  a 4.

·   Número de alunos que concluem o ciclo em 3 anos.

·  Manter a taxa de transição/ conclusão de ciclo acima da média nacional.

·  Aproximar até igualar a média da escola nos exames nacionais à média nacional.

·  Reduzir ou manter a taxa de abandono escolar em 0%.

·  Melhorar em 1% a taxa de qualidade do sucesso.

·  Manter e/ ou reduzir a duração média de conclusão de ciclo.

 

 

Ensino secundário

·   Resultados dos alunos nos exames nacionais do ensino secundário.

·   Listas de colocação dos alunos no Ensino Superior.

·   Número de alunos do ensino secundário que transitam sem negativas.

·   Número de alunos que transitam de ano de escolaridade com média >  a 14 valores.

·   Número de alunos que concluem o ciclo em 3 anos.

 

·  Manter a taxa de saída precoce igual ou inferior a 5%.

·  Nas disciplinas de Física e Química A, Matemática e Biologia e Geologia, aproximar até igualar a média da escola nos exames nacionais à média nacional.

·  Nas restantes disciplinas, manter e/ ou melhorar os resultados nos exames nacionais.

·  Manter a taxa de transição/ conclusão de ciclo acima de 75%.

·  Aumentar o número de alunos colocados no ensino superior.

·  Melhorar em 1% a taxa de qualidade do sucesso.

·  Manter e/ ou reduzir a duração média de conclusão de ciclo.

 

Eixo estratégico 2 – Práticas

Objectivos gerais

·         Garantir o primado da dimensão pedagógica;

·         Generalizar as práticas de trabalho colaborativo;

·         Incentivar a formação contínua e o desenvolvimento profissional dos recursos humanos;

·         Garantir uma formação de qualidade;

·         Garantir que a cultura de auto-avaliação contribua de forma efectiva para a melhoria das práticas;

·         Garantir uma cultura de respeito, responsabilidade e intervenção cívica em que os valores e regras sejam vivenciados por todos;

·         Garantir um acompanhamento individualizado de cada aluno/ formando, quer na superação de dificuldades, quer no desenvolvimento e enriquecimento das aprendizagens.

Estratégias/ Operacionalização

·         Partilha de saberes/experiências e formação entre pares, para responder às necessidades de formação identificadas;

·         Optimização das práticas de “coaching”;

·         Implementação de estruturas formais de supervisão de prática lectiva;

·         Trabalho em equipa, (re)definindo níveis de responsabilidade;

·         Articulação e coordenação Pedagógica;

·         Construção participada dos Projectos Curriculares de turma;

·         Articulação do trabalho com escolas de proveniência dos alunos;

·         Promoção do espírito cívico, garantindo o equilíbrio entre a dimensão pedagógica e a dimensão disciplinar;

·         Valorização das relações interculturais;

·         Gestão equilibrada e criteriosa dos recursos humanos, físicos e financeiros;

·         Manutenção do programa de tutorias;

·         Desenvolvimento de projectos de acompanhamento individualizado dos alunos/ formandos;

·         Reforço e optimização das redes de comunicação;

·         Promoção de momentos de reflexão sobre as práticas;

·         Reconhecimento do mérito e empenho dos elementos da comunidade escolar;

·         Reforço na mobilização dos alunos para intervenção activa nos órgãos da escola;

·         Manutenção e implementação de novas medidas de simplificação de procedimentos.

 

Indicadores de medida

Metas

·      Resultados escolares.

·      Relatórios intermédios/ finais das diferentes estruturas com responsabilidade pedagógi-ca.

·      Mapas de faltas de docentes e não docentes.

·      Projectos Curriculares de Turma.

·      Avaliação /Monitorização dos procedimentos.

·      Número de participações/ procedimentos disciplinares.

·      Dados obtidos na avaliação interna.

·      Nº de reuniões realizadas.

·      Número de docentes envolvidos em práticas de supervisão lectiva.

·         Melhorar a qualidade de sucesso.

·         Manter a elevada assiduidade da população docente.

·         Reduzir o absentismo do pessoal não docente.

·         Reduzir em 10% o número de participações e procedimentos disciplinares.

·         Elaborar e implementar planos de melhoria.

·         Aumentar as reuniões de articulação curricular.

·         Aumentar as práticas de supervisão lectiva.

·         Aumentar o grau de satisfação do público relativamente aos serviços prestados pela escola.

 



Eixo estratégico 3 – Relações na comunidade educativa

Objectivos gerais

·         Valorizar o papel social da escola;

·         Garantir a qualidade do serviço prestado pela instituição;

·         Articular a acção da escola com a comunidade;

·         Afirmar a Escola como referência na educação e formação;

·         Estimular um clima de confiança entre os parceiros e de responsabilização das partes.

 

Estratégias/ Operacionalização

·         Auscultação/envolvimento dos diferentes actores sociais no(s) projecto(s) de escola;

·         Reforço das parcerias e protocolos existentes e estabelecimento de nova(o)s;

·         Promoção da imagem da escola;

·         Participação em actividades de âmbito local, regional, nacional e internacional;

·         Dinamização de actividades abertas à comunidade, quer na escola, quer em espaços exteriores a esta;

·         Melhoria da informação/divulgação sobre as actividades da escola na comunidade;

·         Candidatura a projectos e concursos;

·         Realização de actividades de índole cultural abertas à comunidade;

·         Projectos de participação dos pais na vida da escola;

·         Divulgação de casos de sucesso e boas práticas.

 

Indicadores de Medida

Metas

·         Índice de participação dos Encarregados de Educação nas actividades dinamizadas (Reuniões, Escola de Pais, actividades de índole cultural e recreativa…).

·         Número de projectos e concursos em que a Escola se envolve.

·         Registos nos livros da sala de estudo orientado, projectos e clubes.

·         Número e tipo de Instituições envolvidas em parcerias e actividades dinamizadas pela Escola.

·         Resultados de inquéritos de satisfação junto de parceiros.

·         Número de momentos de cooperação com a autarquia e restantes parceiros.

 

·         Melhorar a imagem da escola.

·         Manter ou reforçar as actividades dos clubes e dos projectos educativos em desenvolvimento que se revelem uma efectiva mais-valia para a escola.

·         Aumentar o número de participantes nos projectos e clubes em 10%.

·         Aumentar o número de actividades e iniciativas desenvolvidas pelos Clubes e Projectos dando visibilidade às suas realizações.

·         Optimizar as parcerias estabelecidas no âmbito da Formação, Saúde, Segurança, Cultura, Artes e Desporto. 

·         Aumentar a participação dos actores sociais no Projecto Educativo e nos Planos de Actividade.

·         Reactivar a Associação de Pais.

 

Eixo estratégico 4 – Formação e certificação

Objectivos gerais

·      Reforçar a adequação da oferta formativa às expectativas dos alunos e da comunidade;

·      Contribuir de forma positiva para a definição do projecto de vida de cada aluno/ formando/ adulto;

·      Valorizar todas as vias de ensino e de certificação existentes;

·      Garantir uma formação de qualidade quer para o prosseguimento de estudos, quer para o ingresso na vida activa;

·      Apoiar a integração dos alunos no mercado de trabalho.

 

Estratégias/ Operacionalização

·         Divulgação da Escola e da sua oferta Educativa;

·         Melhoria do aconselhamento vocacional instituindo serviço oficial permanente;

·         Constituição de equipas pedagógicas;

·         Auscultação das necessidades da comunidade/ tecido empresarial;

·         Diversificação de mecanismos de informação sobre os diferentes percursos formativos;

·         Promoção de actos públicos que dignifiquem as vias de dupla certificação: entregas de prémios, exposições de trabalhos, feiras…;

·         Reforçar a bolsa de parcerias, de forma a garantir formação em contexto de trabalho de qualidade;

·         Reforçar as parcerias com empregadores (NUT III).

 

Indicadores de Medida

Metas

·         Número de empresas com estagiários e protocolos com a escola.

·         Resultados de inquéritos de satisfação junto dos alunos/formandos ou parceiros.

·         Número de formandos inscritos, encaminhados e certificados nos cursos EFA e CNO.

·         Taxa de empregabilidade dos alunos dos cursos de dupla certificação.

·         Taxa de prosseguimento de estudos.

 

 

·  Aumentar o grau de credibilização e dignificação das vias de dupla certificação junto da comunidade.

·  Aumentar a auto-estima dos alunos/ formandos.

·  Atingir os níveis de resultados de qualificação dos adultos da ANQ (inscritos, encaminhados e certificados).

·  Reduzir ao máximo o número de alunos/formandos, que após a conclusão dos seus percursos, na nossa escola, não prosseguem estudos, nem entram na vida activa.

·   Assegurar serviços de psicologia e orientação.

 


Avaliação e divulgação do Projecto

 

 

 

Avaliação

 

A avaliação da evolução dos indicadores, no percurso para a consecução das metas propostas para o triénio 2010-2013, será feita anualmente, pelos diferentes órgãos e estruturas pedagógicas da Escola, directamente responsáveis pelos planos de acção a serem implementados.

 

No caso dos indicadores referentes ao sucesso escolar, far-se-á monitorização da sua evolução no final de cada período e definição de estratégias e planos de melhoria, a nível de Departamento Curricular.

 

No final de cada ano lectivo será feito um relatório com os dados da avaliação do Projecto Educativo que será divulgado na página Moodle da Escola e feitas as necessárias actualizações ao Projecto.

 

 

 

Divulgação

 

No início de cada ano lectivo é feita a apresentação das linhas gerais do Projecto junto dos elementos da comunidade educativa, para que todos possam colaborar e definir objectivos para a sua consecução.

 

O Projecto será divulgado na página Internet e na plataforma Moodle da Escola.